sexta-feira, 8 de maio de 2015

Flávio Dino faz "birra" com Timon e órgãos vinculados ao governo estão funcionando precariamente

Na Unidade Regional de Educação – URE falta tudo e muito mais. Os diretores das oito escolas continuam os mesmos indicados na gestão de Roseana Sarney (PMDB).

Governador Flávio Dino e o seu amigo Márcio Jerry
Em mais de 120 dias depois de empossado no cargo, as ações do governo Flávio Dino (PCdoB) deixam a desejar no município de Timon, na Região dos Cocais. Até parece que ele está fazendo "birra" com os timonenses, visto que nunca veio agradecer os votos recebidos na quarta maior cidade do Maranhão. Um dia após a eleição Dino passou por Timon rumo a Caxias, onde foi recebido pelo todo-poderoso e oligarca Humberto Coutinho. Depois disso, Flávio Dino ensaiou uma ou duas viagens para Timon, sendo todas desmarcadas pelo secretário de Articulação Política, Márcio Jerry. Alguns observadores chegam a arriscar que essas atitudes levam para o campo da retaliação política. Será?

Por causa dessa falta de compromisso com o funcionamento da máquina governamental estadual a contento, em Timon, a grande maioria dos órgãos estaduais está em situação precária, devido a entraves burocráticos.  Por exemplo, na Unidade Regional de Educação – URE falta toda estrutura necessária para oferecer bons serviços aos professores e alunos da rede estadual de ensino.

No inicio de sua gestão, o governador Flávio Dino anunciou que as primeiras eleições para diretor de escola no Estado acontecerão em junho.  O processo é regulamentado pelo Decreto Nº 30.619, assinado por ele logo após a posse.

Para referendar a importância da liderança comunitária do gestor escolar, a eleição envolverá professores, funcionários, estudantes e pais.  Em Timon, as oito escolas da rede estadual ainda estão sendo administradas pelos diretores indicados na gestão de Roseana Sarney (PMDB). A reportagem do Blog Ademar Sousa descobriu que a lista com os nomes dos diretores substitutos provisórios até a escolha de novos gestores através de eleição, foi entregue ao secretário de Articulação Política, Márcio Jerry, que sentou em cima e até hoje nunca despachou a documentação. Além do mais, o governo estadual continua pagando as gratificações dos diretores das oito escolas do estado que foram municipalizadas. Bota irregularidades nisso!

Por conta disso, a nova gestão da URE, de Timon, comandada pelo Professor Regino Noleto, está de mãos atadas sem poder agir, até porque, não vem recebendo as verbas necessárias para a manutenção do órgão.  Dizem que não foram liberados os recursos dos cartões corporativos e nem tickets.

Para agravar mais a situação, os terceirizados contratados pela empresa MASP, responsável pela área de limpeza estão sem receber salários há mais de dois meses. Já os prestadores de serviços da Potencial que cuida da parte de vigilância não recebem seus salários há pelo menos três meses.

ÁREA DE SAÚDE

Segundo informações de fontes seguras na Unidade de Pronto Atendimento – UPA, de Timon, falta material para procedimentos básicos no atendimento médico e no setor de enfermagem. No Hospital Regional Alarico Nunes Pacheco, apesar da boa vontade e seriedade do diretor Danísio Marabuco, mesmo assim, enfrenta também dificuldades por falta de estrutura.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário