quarta-feira, 29 de julho de 2015

Prefeito Luciano Leitoa declara em nota que poderá tomar medidas mais drásticas para conter gastos

A medida reduz em 30% as gratificações dos servidores públicos municipais

Prefeito de Timon, Luciano Leitoa (PSB)
O prefeito de Timon, Luciano Leitoa (PSB), usou na tarde desta quarta-feira (29), o site oficial da Prefeitura de Timon para anunciar que a queda nos repasses federais, via Fundo de Participação dos Municípios, atinge níveis mais graves do que os esperados e que o força a tomar algumas medidas mais drásticas.

Segundo ele, somente no primeiro semestre de 2015 Timon deixou de arrecadar 5 milhões de reais, comparado ao mesmo período de 2014. Diante desse quadro, e para preservar o equilíbrio das contas do Município e a manutenção dos empregos, somos obrigados a reduzir, a partir deste mês, em 30% as gratificações dos servidores municipais que ganham acima de mil reais. Leia a nota: 
                                 
                             Nota da Prefeitura Municipal de Timon

Estamos vivendo, este ano, um novo ciclo econômico no país, marcado por profundos ajustes que tem afetado todos os níveis de governo. A população em todo o Brasil já sente os efeitos das demissões em massa, fechamento de empresas, diminuição de direitos previdenciários, aumento da inflação, cancelamento ou redução de programas, como o FIES e o Minha Casa, Minha Vida.

A Prefeitura de Timon tem feito um grande esforço para diminuir o custeio e ajustar a máquina administrativa para enfrentar o cenário da crise. Nossa meta tem sido a de evitar a qualquer custo demissões, para não agravar a condição de sustento das famílias. No entanto, a queda nos repasses federais, via Fundo de Participação dos Municípios, atinge níveis mais graves do que os esperados e nos obrigam a algumas medidas mais drásticas. Esse é o reflexo da queda do PIB do país, que segundo o próprio Governo Federal vem tendo crescimento negativo. Não é um problema apenas de Timon, mas de todos os municípios do Brasil. Alguns, que não se prepararam como nós, estão hoje sem condições de cumprir seus compromissos mínimos de manutenção dos serviços públicos.

Somente no primeiro semestre de 2015 Timon deixou de arrecadar 5 milhões de reais, comparado ao mesmo período de 2014. Diante desse quadro, e para preservar o equilíbrio das contas do Município e a manutenção dos empregos, somos obrigados a reduzir, a partir deste mês, em 30% as gratificações dos servidores municipais que ganham acima de mil reais. Dessa forma, o servidor que recebe, por exemplo, R$1000,00 (mil reais) de salário e mais R$500,00 (quinhentos reais) de gratificação, terá uma redução de R$ 150,00 (cento e cinquenta reais), recebendo ao final do mês R$ 1.350,00 (mil trezentos e cinquenta reais). A redução incide apenas sobre as gratificações. Por uma questão de justiça social, serão preservados todos os salários até o valor de um mil reais. Essa medida impede que tenhamos que fazer demissões, como tem acontecido em muitos municípios.

Essa é uma medida temporária, que aguarda o final da recessão para o restabelecimento das gratificações. Esperamos que o ajuste fiscal, operado pelo Governo Federal, não nos obrigue a medidas mais duras, em função do compromisso que temos com a Lei de Responsabilidade Fiscal. Caso a situação do país se agrave, teremos que assumir medidas ainda mais severas, que não desejamos, mas que a realidade nos impõe. Nosso compromisso com a população é de transparência e total clareza sobre as decisões que teremos que tomar para manter os serviços públicos atendendo a todos os timonenses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário