quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

PRA ONDE FOI O DINHEIRO?

Professor James Mayner 
 Por James Mayner - Professor de Matemática 

Época de crise e início de um novo ano conspiram para que façamos sérias reflexões. Como militante apaixonado da educação, hoje atuando como gestor de escola pública no DF e vendo essa crise financeira se alastrar e atormentar Estados e Municípios. Alegra-me, no entanto, o exemplo de equilíbrio, prioridade, eficiência e honestidade que vem da minha querida cidade de Timon-MA, na pessoa do prefeito Luciano Leitoa. Sou professor de Matemática de formação e aprendi muito cedo que os números não mentem jamais.

Luciano Leitoa finalizou agora em dezembro de 2015 seu terceiro ano de mandato priorizando a educação, dando dignidade e valorizando os profissionais da educação municipal e tornando mais promissor o futuro de alunos e alunas timonenses. Até bem pouco tempo atrás na gestão anterior da Professora Socorro Waquim os rumos eram outros, mesmo o país estando em franco desenvolvimento e sem se ouvir falar em crise, o dinheiro do FUNDEB destinado à educação pública do nosso município sumiu como num truque de mágica. Como pode? Senão vejamos:

Nos meses de novembro e dezembro de 2012 e nos mesmos meses de 2015, o município de Timon recebeu de transferência do governo federal, do FUNDEB, os seguintes valores:

Novembro e dezembro de 2012 ..........14.932.997,63

Novembro e dezembro de 2015...........14.621.937,37

FONTE: www.bb.com.br

Ou seja, em novembro e dezembro de 2012 foram R$ 311.060,63 (trezentos e onze mil, sessenta reais e sessenta e três centavos) a mais do que o mesmo período de 2015, em valores absolutos, sem se falar de inflação. Pois bem, no período de 2012, ainda na gestão da ex-prefeita Professora Socorro Waquim com todo esse dinheiro, não foram pagos para os professores efetivos os salários de novembro, nem dezembro, nem o décimo terceiro e nem 1/3 de férias e muito menos se viu falar em qualquer tipo de investimento na educação. Para constar a lei do FUNDEB determina que pelo menos 60% do dinheiro deve ser gasto com pagamento de professores. O restante pode ser investido na "manutenção e desenvolvimento da Educação Básica". Mas a então prefeita professora torrou todo o dinheiro, em que até hoje não sabemos.

É bom lembrar que em 2012 o piso salarial nacional dos professores era R$ 1.451,00(mil quatrocentos e cinquenta e um reais) e em 2015 era de R$ 1.917,78(mil novecentos e dezessete reias e setenta e oito centavos) além de terem sido acrescidos mais de 300(trezentos) professores concursados, além dos grandes investimentos em reforma e ampliação. Hoje não existe mais escolas de taipa no nosso município, escolas foram climatizadas, são 500(quinhentas) salas beneficiando quase 26.000(vinte e seis mil) alunos e alunas, vale ressaltar que o ambiente bem refrigerado é um suporte extremamente importante no processo de aprendizagem e também serve de referência para a saúde dos alunos e da comunidade escolar. O Prefeito Luciano fechou o terceiro ano de mandato tendo pago as 39 folhas (salários+décimo terceiro) da sua gestão ( 36 + 3 ) além de duas folhas ( novembro e dezembro de 2012 ), 1/3 de férias de 2012, parte do décimo terceiro de 2012 e 1/3 de férias dos três anos de sua gestão, sem falar de aquisição de carteiras novas para todas as escolas e fardamento para os alunos.

O mestre Paulo Freire foi enfático ao dizer que "É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática. "Por isso eu pergunto: COMO PODE? ONDE FOI PARAR O DINHEIRO DO FUNDEB EM OITO ANOS DE GESTÃO SOCORRO WAQUIM? Que possamos lembrar, aliás, será que ainda tem algum professor com saudade da PROFESSORA prefeita?

Nenhum comentário:

Postar um comentário