quarta-feira, 8 de junho de 2016

Ribamar Alves pede a Justiça que obrigue Flávio Dino a concluir obra de hospital

Prefeito de Santa Inês, Ribamar Alves (PSB)
O prefeito de Santa Inês, Ribamar Alves (PSB), protocolou ontem um mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) contra o governador Flávio Dino (PCdoB) e contra o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, para que o Estado seja obrigado a concluir a obra de construção do Hospital Macrorregional da cidade e a inaugure no prazo máximo de 60 dias.

O pedido foi distribuído ao desembargador José Bernardo Rodrigues, a quem caberá decidir sobre o pedido liminar.

A obra foi iniciada ainda na gestão passada, mas, de acordo com o socialista, foi abandonada pela administração comunista, faltando menos de 10% para a sua conclusão.

“O que nos causa estranheza é que cidades como Caxias e Pinheiro, ambas com obras menos avançadas, já tiveram seus hospitais inaugurados”, destacou Alves, que convocou ontem uma coletiva de imprensa para reforçar a crítica ao fato de haver sido “abandonado” pelo governo.

Segundo ele, há recursos em caixa para garantir a finalização da obra. “Recurso tem, é esse do BNDES. Mas não é falta de dinheiro, é falta de vontade política”, completou.

Curiosamente, no mesmo momento em que o prefeito concedia à coletiva, o governador Flávio Dino utilizava as redes sociais para anunciar que a construção do hospital está “entrando em fase final”.

“Hospitais de Bacabal, Santa Inês e Imperatriz entrando em fase final. Chapadinha avançando”, escreveu.

Ribamar Alves contesta. “Está tudo parado”, declarou, apresentando um relatório fotográfico, segundo ele recente, do prédio.

Asfalto – Além da cobrança pela inauguração do macrorregional, o prefeito deve protocolar ainda hoje um segunda ação contra o Executivo: ele pedirá à Justiça que obrigue o governador a cumprir um compromisso firmado com o Município de garantir 10 quilômetros de vias pavimentadas no bojo do programa “Mais Asfalto”.

“Essa promessa nos foi feita desde o ano passado e, desde então, só vem sendo protelada. O último compromisso assumido pelo governo era de que o asfalto começasse a cair no aniversário da cidade, em março, e mais uma vez não foi cumprido”, relatou.

Para o gestor municipal, o governo tem forçado um distanciamento. “Municípios administrados por adversários na campanha de 2014 já foram contemplados com esse programa. Eu fui abandonado. Existe uma total falta de tato para o diálogo”, reclamou. (Com informações de O Estado do Maranhão). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário