quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

TIMON: Saúde esclarece sobre vacinação contra febre amarela

A Secretaria Municipal de Saúde de Timon (SEMS) está veiculando informações nas rádios, por meio de entrevistas e posts, e na internet sobre a vacinação contra febre amarela. A proposta é esclarecer quem precisa se vacinar contra a doença neste momento e explicar para a população que não há necessidade de vacinação de todos.

De acordo com a enfermeira Itelmária Escócio, diretora de Epidemiologia, a vacinação é destinada a grupos prioritários – neste caso, pessoas que vivem ou irão viajar para áreas afetadas pela febre amarela no País, como: leste de Minas Gerais, oeste do Espírito Santo, oeste da Bahia, além do noroeste do Rio de Janeiro, que está localizado na divisa com áreas onde há registros de casos.

“Essas pessoas devem procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa para tomar a vacina. A população que não vive na área de recomendação, ou não vai se dirigir a áreas consideradas de risco, não precisa se vacinar neste momento”, explica a enfermeira.

Atualmente, o esquema de vacinação da febre amarela é de duas doses, tanto para adultos quanto para crianças. As crianças devem receber as vacinas aos nove meses e aos quatro anos de idade. Assim, a proteção está garantida para o resto da vida. Dos seis aos nove meses de idade incompletos, a vacina está indicada somente em situação de emergência epidemiológica ou viagem para área de risco.

Para adultos que não tomaram as doses na infância, a orientação é uma dose da vacina e outra de reforço, dez anos depois da primeira. Quem perdeu o cartão de vacinação deve procurar o serviço de saúde que costuma frequentar e tentar resgatar o histórico. Caso isso não seja possível, a recomendação é iniciar o esquema normalmente.

Recomendações sobre a vacina

Viagens

Os viajantes que forem se dirigir a uma área com recomendação de vacina – tanto estrangeiros quanto brasileiros – e que não completaram o esquema de duas doses, a recomendação é que sejam vacinados pelo menos dez dias antes da viagem, tempo necessário para o organismo criar anticorpos e ficar devidamente protegido. Quem tomou a primeira dose há menos de dez anos não precisa adiantar o reforço.

Contraindicações

Pessoas a partir de cinco anos de idade que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação devem receber a primeira dose da vacina, e um reforço dez anos depois. Vale destacar que a situação deve ser informada ao profissional de saúde, para que seja possível avaliar se há contraindicação.

A vacina é contraindicada para crianças menores de seis meses, idosos acima dos 60 anos, gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas. Em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação para esses grupos, levando em conta o risco de eventos adversos.

Outra recomendação é que a vacina para febre amarela não deve ser aplicada ao mesmo tempo que a vacina tríplice viral (que protege contra sarampo, rubéola e caxumba) ou tetra viral (que protege contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela).

Se a criança tiver alguma dose do Calendário Nacional de Vacinação em atraso, ela pode tomar junto à da febre amarela, com exceção da tríplice viral ou tetra viral. Para a criança que não recebeu a vacina para febre amarela, nem a tríplice viral ou tetra viral, e for atualizar a situação vacinal, a orientação é receber a dose de febre amarela e agendar a proteção com a tríplice viral ou tetra viral para 30 dias depois. Fonte: Ascom/Sems





Nenhum comentário:

Postar um comentário