quarta-feira, 10 de maio de 2017

TERESINA: Loja Rabelo tenta dar golpe nos trabalhadores

A denúncia partiu dos próprios trabalhadores que já não suportam mais o descaso que a loja Rabelo, localizada na Rua Teodoro Pacheco, vem cometendo contra seus funcionários.

Protesto contra as demissões 
A situação se agravou quando a empresa começou a recolher mercadorias num caminhão sem dar explicações aos trabalhadores. Outro fato intrigante foi o fechamento de uma filial ocorrida repentinamente sem comunicado e aviso.

"Ficamos sabendo através de terceiros que fecharam mais uma loja na Avenida Miguel Rosa. E simplesmente hoje eles chegaram aqui, sem dar satisfação nenhuma pra ninguém, e começaram a tirar a mercadoria da loja. A gente já estava preocupado e hoje só piorou a situação", informou uma trabalhadora que não quis se identificar.

Além dessa situação, os trabalhadores alegam a falta de compromisso com os direitos trabalhistas. Entre outros são salários, vale alimentação e vale transporte atrasados por meses. 

Informados do ocorrido, diretores do sindicato foram até a empresa e se deparam com os trabalhadores carregando o caminhão com as mercadorias. Os diretores bloquearam a saída do caminhão e retiraram as mercadorias do veículo.

Líder da classe Gilberto Paixão (ao microfone) lamentando a situação dos funcionários da loja Rabelo

Para o secretário geral, Gilberto Paixão, o fato caracteriza claramente a falência da empresa e um possível calote contra os trabalhadores.

“Recebemos a denúncia e vimos que existe uma insatisfação dos trabalhadores por não haver o cumprimento das responsabilidades trabalhistas pela empresa. A forma que eles estão agindo aqui em Teresina é a mesma usada em outros estados. Fecha-se a loja, dá o aviso prévio ao trabalhador e não paga os direitos. Isso caracteriza calote”, confirma o secretário geral.

Diante da situação, o sindicato acionará o setor jurídico para formalizar e a denunciar junto ao Ministério Público do Trabalho para que a empresa pague os direitos dos trabalhadores. Fonte: Sindcomteresina



                                                                                                                                                                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário