quinta-feira, 3 de maio de 2018

Timon: Comerciários exigem garantias e direitos para trabalhar aos domingos


Audiência discutiu projeto da prefeitura de que regulamenta funcionamento do comércio aos domingos; Classe quer que acordos sejam respeitados.

Vereadores no plenário da Câmara Municipal de Timon

A Câmara Municipal de Timon discutiu nesta quinta-feira (03) em audiência pública o projeto que altera a lei de funcionamento do comércio do município aos dias de domingo.

Na audiência estiveram presentes representantes dos sindicatos dos comerciários, dos lojistas e da Federação do Comércio (Fecomercio), que avaliaram os pontos que devem ser alterados no código de conduta do município. A mudança seria uma autorização para que o comércio funcionasse aos domingos em setores específicos e estabelecendo horários.

No geral, as categorias patronal e funcionários são favoráveis e até já atuam em horários aos domingos, porém o principal imbróglio gira em torno dos acordos trabalhistas envolvendo o novo horário, que não era especificado em lei e uma compensação financeira exigida pelos comerciários. Segundo o presidente do Sindicato dos Comerciários de Timon, Valdeílson da Costa e Silva (conhecido como Dedé do Povo), a categoria é contra o texto enviado pela prefeitura, e exige a mudança que garanta a força das convenções trabalhistas da categoria.

“A categoria é contra essa reforma que o prefeito quer fazer, só traz malefícios para a categoria. A gente perderia a força que temos de convenção coletiva. Não somos contra fechar aos domingos não, a gente quer que o comércio abra aos domingos e tenha hora pra fechar, que seja feito o acordo com o sindicato, coisa que o grupo Mateus e o Grupo Carvalho não querem fazer. Esses pontos que tocamos são os pontos que a gente não concorda. Eles não procuraram ouvir de maneira alguma a nós, nunca mandaram um ofício, nunca veio um representante do município, do prefeito, procurar a gente”, explica Dedé.

Dedé do Povo, representante dos comerciários  Foto: Rodrigo Antunes/45graus

A mudança irá regulamentar funcionamento de alguns comércios como lojas de shoppings, supermercados, farmácias e vendas de gêneros alimentícios e faz parte de uma série de mudanças possíveis após mudança nos termos da lei alterados pelo Governo Federal após a reforma trabalhista.

Rodrigo dos Comerciários, Francisco Moura, Ronaldo e Dedé do Povo 

O projeto passaria pelo parlamento municipal sem discussão, porém, após pedido de aditamento por parte da vereadora Professora Socorro (MDB), os parlamentares resolveram convocar as categorias para discutir a proposta de alteração. A votação do projeto deverá acontecer nas próximas sessões.

“Pedimos um aditamento para discutir com os representantes das categorias pra saber se realmente esse decreto que está posto e a alteração que a prefeitura mandou está de acordo com os interesses de ambas as categorias. Na minha opinião, eu entendo que deva aprovar essa alteração, mas desde que isso condicionado às convenções trabalhistas para facilitar o entendimento entre empregados e empregadores no município de Timon.”, explicou a vereadora.

Vereadora Professora Socorro  Foto: Rodrigo Antunes/45graus 

O temor de alguns trabalhadores é que a mudança gere comportamento abusivo por parte de empresários, que podem não respeitar os acordos coletivos firmados entre as categorias. O projeto deverá ser posto em votação na próxima semana no Plenário da Câmara Municipal de Timon. (Com informações do 45graus)


Vereadores presentes na audiência; Foto: Rodrigo Antunes/45graus

Nenhum comentário:

Postar um comentário